HOME

domingo, 22 de abril de 2018

ACUMULADO DE CHUVAS ESTÁ ACIMA DA MÉDIA, DIZ EMPARN



Tem chovido acima do esperado em todo o território potiguar. Segundo levantamento da Unidade de Meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn), o acumulado de chuvas nestes primeiros meses do ano está 22,3% acima da média – um dado que representa alívio e esperança para o sertanejo. Afinal, são 6 anos seguidos de estiagem severa. A média utilizada para o estudo, segundo o chefe da unidade, o meteorologista Gilmar Bristot, refere-se aos dados coletados entre o período de 2003 a 2016. Ou seja, de 1º de janeiro até o dia 18 deste mês, o comportamento está altamente favorável, principalmente no sertão nordestino. “No Rio Grande do Norte não tem sido diferente. O acumulado no estado chega a 486,8 milímetros para um histórico do clima de 398 mm, o que representa 22,3% acima da média”, revelou. O estudo, ainda de acordo com a Emparn, confirma as previsões dos meteorologistas do Nordeste e de várias instituições e órgãos nacionais: as chuvas estão acima da média em várias regiões do RN e do Nordeste, principalmente no semiárido, que atravessava seis anos consecutivos de estiagem severa.
Estão totalmente cheios, ou seja, com 100% de suas capacidades de armazenamento retomadas, os seguintes reservatórios:
  • Barragem do Apanha Peixe, em Caraúbas; capacidade: 10.000.000/m³.
  • Açude do Santo Antônio, em Caraúbas; capacidade: 8.538.109/m³.
  • Açude Encanto,em Encanto; capacidade: 5.192.538/m³.
  • Açude Riacho da Cruz II, em Riacho da Cruz; capacidade: 9.604.200/m³.
  • Açude Pataxó, em Ipanguaçu; capacidade: 15.017.379/m³.
  • Açude Beldroega, em Paraú; capacidade: 8.057.520/m³.
Completamente secos. São eles:
  • Açude Dourado, em Currais Novos; capacidade: 10.321.600/m³.
  • Barragem Trairi, em Tangará; capacidade: 35.230.000/m³.
  • Barragem Japi II, em São José do Campestre; capacidade: 20.649.000/m³.